MENU

MAR JOR IE EST IA NO

Biografia

Marjorie Estiano nasceu em Curitiba / Paraná. Começou a estudar teatro e canto aos 15 anos de idade no Colégio Estadual do Paraná por onde também passaram Ari Fontoura, Luiz Melo e Leonardo Miggiorin.

Seu primeiro papel na Rede Globo foi em 2004 no seriado “Malhação”. Marjorie era Natasha, uma vilã que integrava como baixista uma banda fictícia, a Vagabanda.

A partir daí a atriz revelou também seu trabalho como cantora interpretando o repertório da personagem no CD “Marjorie Estiano” (2005). Em seguida, gravou “Flores Amores e Blá Blá Blá” (2007), além do DVD “Marjorie Estiano e Banda – Ao vivo”, que juntos alcançaram a marca superior a 400 mil cópias vendidas. Marjorie excursionou com seus shows, fazendo grande sucesso por todo o Brasil.

Ao longo dos anos, Marjorie integrou o elenco de novelas e series na emissora de televisão Globo.
No cinema, teve sua estreia em 2009, “Malu de Bicicleta”, com direção de Flávio Ramos Tambellini.

Não deixando de lado a música, apresentou-se no ano seguinte no “Posto 8″ (Rio de Janeiro), com o projeto experimental “Combinação Sobre todas as Coisas”. Esse mesmo projeto, foi apresentado no “Clube A” e no “Bourbon Street” (São Paulo).
Marjorie criou “Combinação Sobre todas as Coisas” como um laboratório, um experimento na busca de sua identidade musical, com um repertório de releituras, testando novas sonoridades e parcerias. “Desde criança nunca tive dúvida de que cantar e atuar era o meu propósito, mas entrei na indústria musical antes de me entender como cantora, de saber meus contornos mesmo que mutantes.”

No mesmo ano fez no teatro “Corte Seco”, peça de Christiane Jatahy e sua pesquisa de integração do cinema com teatro, com uma linguagem muito própria de dramaturgia.

Logo após protagonizou a peça “Inverno da Luz Vermelha”, direção de Monique Gardenberg. Neste espetáculo, Marjorie surpreendeu ao interpretar o papel de uma prostituta francesa. Recebeu muitos elogios da crítica especializada. Em destaque, o texto especialíssimo do cineasta Bruno Barreto, que se impressionou com sua capacidade de se transformar em cena, comparando-a com uma camaleoa.

Simultaneamente, na TV, em 2011 / 2012, destacou-se na novela de Licia Manzo, “A Vida da Gente”, como Manu, uma jovem rejeitada pela própria mãe, que viveu um triângulo amoroso com sua irmã e seu irmão de criação.

Em 2012, Marjorie estreou a peça “O Desaparecimento do Elefante”, com texto de Haruki Murakami e direção de Monique Gardenberg e Michele Matalon. A montagem teve no elenco os atores André Frateschi, Caco Ciocler, Clarissa Kiste, Fernanda de Freitas, Kiko Mascarenhas, Maria Luisa Mendonça, Rafael Primot e Rodrigo Costa. A obra foi muito elogiada pela crítica e esteve no Rio de Janeiro (2012) e em São Paulo (2013), com casa cheia todos os dias. A peça disputou vários prêmios e Marjorie conquistou o “Prêmio Aplauso Brasil de Teatro 2013″, de Melhor Atriz Coadjuvante.

Em 2013, Marjorie chegou às telonas com o filme “O Tempo e o Vento”, dirigido por Jayme Monjardim. Essa nova adaptação do clássico de Érico Veríssimo, com roteiro assinado por Letícia Wierzchowski e Tabajara Ruas. Focando na história de amor entre Bibiana (interpretada por Marjorie Estiano na juventude, Janaína Kremer na fase adulta e Fernanda Montenegro na maturidade) e o Capitão Rodrigo (vivido por Thiago Lacerda). Foi apresentada como minissérie pela Rede Globo em janeiro de 2014.

Ainda em 2013, Marjorie encenou “Beatriz”, filme luso-brasileiro, todo filmado em Portugal, e dirigido por Alberto Graça. No longa ela interpreta a personagem-título.

No mesmo período, convidada por Monique Gardenberg, integrou o projeto “Banco do Brasil Covers – The Beatles”. A reverência aos Beatles no show ficou por conta da banda formada por Dado Villa-Lobos, Leoni, Toni Platão, João Barone, Liminha (produtor musical e que também assumiu o baixo), André Frateschi, Sandra de Sá e Paulo Miklos. O projeto “Banco do Brasil Covers – The Beatles” se apresentou em cinco capitais: Natal (RN), Recife (PE), Fortaleza (CE), Porto Alegre (RS) e Rio de Janeiro (RJ), entre os dias 29/09 e 29/11/2013. Em abril e maio de 2014 foram realizados novos shows em Belo Horizonte (MG), São Paulo (SP), Curitiba (PR) e Salvador (BA).

Em julho do mesmo ano, Marjorie fez uma participação especial na primeira fase de “Império”, novela de Aguinaldo Silva. Ela interpretou Cora, uma mulher amargurada e fria que fez de tudo para acabar com o romance entre a irmã Eliane (Vanessa Giácomo) e José Alfredo (Chay Suede). A atuação de Marjorie foi muito elogiada pela crítica e pelo público e repercutiu nas redes sociais, resultando em “memes”, fã-clubes e indo parar nos trending topics do Twitter.

Em novembro de 2014, Marjorie Estiano filmou “O Garoto”, de Júlio Bressane, que considera um marco. “Júlio me apresentou uma liberdade de criação, de interpretação… subvertendo o que eu entendia como lógica. E esse foi o despertar de uma busca que se tornou constante no meu estudo dentro da profissão.” Também retornou às telinhas como uma das quatro protagonistas de “Eu Que Amo Tanto”, série do Fantástico, com direção de Amora Mautner e Joana Janace.

Desde o show “Combinação Sobre Todas as Coisas”, e paralelamente a outros trabalhos, Marjorie veio elaborando a estreia de seu primeiro trabalho autoral: “Oito – Uma alusão ao símbolo do infinito”, com produção de André Aquino.

O álbum, com onze faixas, conta com participações de Gilberto Gil e Mart’nália, nas faixas “Luz do Sol” e “A Não Ser o Perdão”, respectivamente. Esse álbum é também um marco em sua carreira, uma espécie de recomeço. Nele, Marjorie apresenta sua busca, suas descobertas, mostrando toda sua pluralidade e talento, agora como compositora além de intérprete.

“Tirar algo de um lugar etéreo e ver aquilo tomando forma… ‘Oito’ é o registro de algo em movimento… me sinto aprendendo a falar, e cada palavrinha que se mostra é uma conquista”, conta Marjorie. Sua personalidade performática fez com que ela mergulhasse nas músicas, conferindo significado especial a cada verso de suas canções autorais e a cada releitura que escolheu.

Começando sua turnê pelo Brasil, Marjorie fez o show de lançamento no “Miranda” / Rio de Janeiro, em 24 de Outubro de 2014. Levou o show para São Paulo em 13 de dezembro de 2014 e se apresentou no “Tom Jazz”, novamente com a casa lotada. Porém, nesse mesmo mês, Marjorie precisou retornar à novela “Império”, a pedido do autor e diretores, para substituir Drica Moraes que teve que deixar a trama por problemas de saúde.

Assim, Marjorie interrompeu a agenda de shows para dar continuidade à personagem de “Império”.

Em 4 de Janeiro de 2016 a Rede Globo estreia a minissérie “Ligações Perigosas” em 10 capítulos. Inspirada no clássico da literatura francesa de Choderlos de Laclos, a minissérie é escrita por Manuela Dias, com a colaboração de Maria Helena Nascimento e Walter Daguerre, sob supervisão de texto de Duca Rachid, direção geral de Vinícius Coimbra e direção de núcleo de Denise Saraceni. Conta com as participações de Patrícia Pillar, Marjorie Estiano, Selton Mello, Alice Wegmann, Jesuíta Barbosa, Aracy Balabanian, Yanna Lavigne, Renato Góes entre outros.

Nos anos que se seguiram Marjorie alternou trabalhos no teatro, tv, na música mas o destaque foi para o cinema, lançando “Sob Pressão”, Andrucha Waddington; “Entre Irmãs”, Breno Silveira; “Todo cliché do Amor”, Rafael Primot; “Paraíso Perdido”, Monique Gradenberg e “As Boas Maneiras” de Juliana Rojas e Marco Dutra. Este último, reunindo muitos prêmios no Brasil e internacionais. Marjorie ganhou o prêmio redentor de melhor atriz coadjuvante no Festival de Cinema do Rio de Janeiro.
Com Sob Pressão, serie exibida pela Globo que expõe a rotina de médicos em um hospital público do Brasil, caminhando para a terceira temporada de muito sucesso Marjorie ganhou o prêmio Melhores do ano de 2017 e em 2018 o APCA com a personagem Carolina, além do FIPA de Biarritz na França. “Essa personagem me ofereceu a oportunidade rara de me perceber concretamente instrumento, e sentir o real alcance e construção na vida do espectador. Ela redimensionou, resignificou a profissão pra mim, de maneira tal que agradecer não é suficiente.”

Novelas:
2006- Páginas da Vida – Manoel Carlos, direção: Jayme Monjardim
2007- Duas Caras – Aguinaldo Silva, Direção: Wolf Maya
2009- Caminhos das Índias – Gloria Perez, Direção: MarcosSchechtman.
2011- A Vida da Gente – Lícia Manzo, Direção: Fabrício Mamberti e Jayme Monjardim
2012- Lado a Lado – João Ximenes Braga e Claudia Lage, Direção: Denis Carvalho
2014- Império – Aguinaldo Silva, Direção: Pedro Vasconcelos e Rogério Gomes

Séries:
2004- Malhação- Escrita por Ricardo Hofstetter, Daisy Chaves, Paula Amaral e Lícia Manzo.
2005- Malhação Escrita por Paula Amaral, Izabel de Oliveira e Ricardo Hofstetter, com direção de Roberto Vaz.
2011- Amor em 4 Atos – Diretor: Tadeu Jungle – Autores: Estela Renner e Tadeu Jungle.
2014- O Tempo E o Vento – Direção: Jayme Monjardim
2014- Eu que Amo Tanto – Direção: Amora Mautner e Joana Jabace, Escrita por Euclydes Marinho (Baseado no livro “Eu Que Amo Tanto” de Marília Gabriela)
2016- Ligações Perigosas – Direção: Denise Saraceni e Vinícius Coimbra. Escrita por Manuela Dias (baseada no clássico da literatura francesa Les liaisons dangereuses, de Pierre Choderlos de Laclos)
2016- Justiça – Escrita por Manuela Dias – Direção: José Luiz Villamarim
2017- Entre Irmãs – Direção: Breno Silveira – Roteiro: Patricia Andrade (Baseado no Livro A costureira e o Cangaceiro de Frances de Pontes Peebles)
2017/2019- Sob Pressão – Direção: Andrucha Waddington, Roteiro de Lucas Paraíso

Cinema:
2009- Malu de Bicicleta – Dirigido por Flávio Ramos Tambellini – Roteiro de Marcelo Rubens Paiva.
2013- O Tempo E o Vento – Diretor: Jayme Monjardim – Roteiro: Letícia Wierzchowski, Marcelo Ruas e Tabajara Ruas (Baseado no Livro “O Continente” de Erico Veríssimo)
2014- Apneia – Diretor e Roteirista Mauricio Eça
2015- Garoto – Diretor: Júlio Bressane, Roteiro: Julio Bressane, Rosa Dias
2016-Sob Pressão – Direção: Andrucha Waddington, Roteiro: Renato Fagundes, Leandro Assis e Claudio Torres. (Baseado no livro- Sob Pressão: A Rotina de Guerra de Um Médico Brasileiro de Marcio Maranhão)
2017- Entre Irmãs- Direção: Breno Silveira – Roteiro: Patricia Andrade (Baseado no Livro A costureira e o Cangaceiro de Frances de Pontes Peebles)
2018- Todo Clichê do Amor- Direção e Roteiro: Rafael Primot
2018- Paraíso Perdido – Direção e Roteiro: Monique Gardenberg
2018- As Boas Maneiras – Direção e Roteiro: Juliana Rojas e Marco Dutra

Teatro:
2002 – Barbara não lhe adora – Direção e Roteiro: Henrique Tavares
2010- Corte Seco – Direção e Roteiro Christiane Jatahy
2010-2011 – Inverno da Luz Vermelha – Direção e Roteiro: Monique Gardenberg
(Adaptação do texto de Adam Rapp)
2012-2013 – O Desaparecimento do Elefante – Direção e Roteiro: Monique Gardenberg e Michele Matalon (Adaptação do livro The Elephant Vanishes de Haruki Murakami)
2016-2017 – Fluxorama – Direção: Monique Gardenberg – Texto: Jô Bilac

Premiações:
2011- Prêmio Arte Qualidade Brasil – Melhor Atriz de Teatro- Drama (Inverno da Luz Vermelha)
2011- Prêmio Quem – Melhor Atriz Coadjuvante (A Vida da Gente)
2013- Prêmio Aplauso Brasil – Melhor Atriz Coadjuvante (O desaparecimento do Elefante)
2017- Festival do Rio: Melhor Atriz Coadjuvante (As Boas Maneiras)
2017- Melhores do Ano – Melhor Atriz de Série (Sob Pressão)
2017- Prêmio TV UOL – Melhor Atriz ( Sob Pressão)
2018- Prêmio FIPA de Ouro do 31º Festival FIPA – França-Melhor Atriz (Sob Pressão)
2018- Prêmio F5- Melhor Atriz de Série (Sob Pressão)
2018- Prêmio Contigo – Melhor Atriz de Série (Sob Pressão)
2018 – 15º Zinegoak – Bilbao LGTB Film Festival –Espanha- Melhor Atriz Coadjuvante (As Boas Maneiras)
2018- 12º Prêmio Fiesp/Sesi de Cinema e TV – Melhor Atriz de série (Entre Irmãs)
2018- Trofeu APCA – Melhor Atriz (Sob Pressão)